Blog

Moda também é consultoria de imagem sustentável.

Passei boa parte da minha vida ouvindo da minha mãe que fui o bebe mais lindo do berçário da Santa Casa em Diamantina, quando eu nasci.

Morria de vergonha toda vez que ela começava a contar essa história. Na maioria das vezes eu pedia desculpas ao ouvintes e, bem discretamente, dizia: ela é uma mãe babona. Não a leve a sério.

E era exatamente o que eu pensava. Que minha mãe era uma “mãe babona” incorrigível.

Ela sabia o quanto eu ficava constrangida toda vez que começava essa história, mas não estava nem aí, simplesmente continuava com o “causo”: Você sabia que ela foi o bebe mais lindo do berçário? Então, quando ela nasceu o Dr. exclamou: Que bebe lindo! Eu nunca vi nada parecido! Olha só, enfermeira fulana, enfermeira sicrana... E assim os rumores tomaram conta dos corredores da Santa Casa e todo mundo ia até o berçário para ver o bebe mais lindo.

Perdi a conta das vezes que ela contou essa história, e eu sempre, com o mesmo pensamento: que mulher maluca. Vai achar a filha linda assim lá na China.

O tempo passou. Ela continuou a contar essa história e eu aprendi a ignorar.

Um belo, e único, dia, estava eu em um cartório em Diamantina levantando alguns dados. Em um certo momento tive que falar meu nome completo e o de minha mãe, quando no fim do balcão um senhor já de idade avançada olha e me diz:

Você é filha de Fista?

Eu: sim.

Ele: Eu fiz seu parto. Aliás fiz quase todos os partos de sua mãe (um total de 16. Acredito que ele era o único obstetra em Diamantina naquela época)

Eu: Ah, prazer! Meu nome é Diginane. Sou a última viva. Minha mãe perdeu dois depois de mim.

E não é que aquela criatura pequena e já bem vivida me solta “VOCÊ FOI O BEBE MAIS LINDO DO BERÇARIO!!!!!

Ah, não! Essa história é verdade?

Ele: Sim! Nunca vi um bebe sorrir tanto ao nascer. Segundo a pessoa que me trouxe ao mundo, eu nasci sorrindo! Não chorei. Apenas sorri.

Um serzinho cabeludo, sempre fui assim, que sorria para todos! Não tinha cara de joelho. Tinha o semblante limpo e sereno e sorriso nos lábios. Nunca chorei enquanto estive na Santa Casa, apenas sorria para tudo e para todos.

 

Naquele momento entendi o significado de duas palavras “mais lindo”. Nunca foi a questão estética, e sim, algo de dentro que não tem como esconder. Acredito que seja apenas luz. Demorei muito tempo para aceitar que sou um ser de Luz e isso sim é ser belo.

 

Fui correndo para casa contar para minha mãe que ela tinha razão. É claro que ganhei um merecido esculacho: você só ouve o que os outros dizem. Eu abaixei a cabeça e aceitei. Tstststststs...

Nascemos belos, iluminados e felizes. O tempo tenta nos transformar em muitas coisas, cabe a nós aceitar ou não.

Não aceito a escuridão, não aceito a infelicidade, não aceito o medo...

Serei tudo que nasci para ser. Um serzinho feliz, de luz e prosperidade! 


por: Diginane Hiorranna em 31/08/2017 15:07